quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Imposto de importação de bicicletas vai cair três vezes em 2021

Será que agora o preço das bicicletas vai cair?

Imagem referencial. Foto: Christin Hume/Unsplash

Foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 18 de fevereiro, a redução do imposto de importação de bicicletas, que atualmente é de 35%.


A medida havia sido anunciada no dia anterior pelo presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido), nas redes sociais.


Com a resolução, o imposto sobre a importação de bicicletas que era de 35%, sofrerá uma queda, indo para 30% em no primeiro dia de março de 2021. Em 1º de julho do mesmo ano haverá nova redução: o imposto irá para 25%.


A partir de 1º de dezembro de 2021, as bicicletas sairão da Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (TEC) e nova queda do imposto de importação do produto irá ocorrer, indo a alíquota para 20%.


Redução de impostos, seja bem-vinda. Esperamos que a queda dos preços venha junto!

Leia mais...

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Bicampeão de F1, Fernando Alonso é atingido por carro enquanto pedalava

Fernando Alonso durante um pedal. Foto: Fernando Alonso/Instagram

O bicampeão mundial de Fórmula 1, Fernando Alonso, foi atingido por um carro enquanto treinava de bicicleta nos arredores de Lugano, na Suíça nesta quinta-feira, 11 de fevereiro.

De acordo com a Alpine F1 Team, equipe do piloto espanhol, "após seu acidente de bicicleta ontem, Fernando Alonso foi mantido sob observação em um hospital na Suíça. Os médicos descobriram uma fratura em seu maxilar superior e realizaram uma operação corretiva com sucesso".


"Os médicos descobriram uma fratura em sua mandíbula superior e conduziram uma operação corretiva com sucesso. A equipe médica responsável está satisfeita com o progresso dele. Fernando vai ficar em observação no hospital mais 48 horas", afirmou a equipe Alpine em comunicado.


A polícia local emitiu comunicado confirmando o que Fernando Alonso havia sido atingido por um carro enquanto pedalava.


"Segundo uma reconstrução inicial e por motivos que o inquérito policial terá de apurar, enquanto fazia uma curva à esquerda para entrar no estacionamento de um supermercado, [o motorista] atingiu um espanhol de 39 anos, que andava em sua bicicleta passando por uma fila de veículos parados. A colisão ocorreu contra o lado direito do carro", detalha o comunicado da polícia.

Leia mais...

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

5 pontos que o ciclista precisa observar ao pedalar no trânsito

- Imagem referencial. Foto: Pexels/Pixabay -
Utilizar a bicicleta como meio de transporte principal para realizar os deslocamentos diários casa-trabalho-casa é a intenção de muita gente, principalmente nesse período de aumento do preço dos combustíveis.

Outro fator que fez crescer o número de adeptos às bicicletas para os deslocamentos cotidianos é a pandemia do coronavírus, Covid-19. Esse dado fica comprovado com um levantamento feito pela Tembici, empresa líder de micromobilidade na América Latina.

"Em todas as cidades de atuação da empresa (Tembici), como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Salvador foi constatado que 54% utilizam a bike para ir e voltar do trabalho e, em média, 90% dos usuários pretendem continuar utilizando as laranjinhas ao término da quarentena", indica o site Seguro Total.

Então beleza! O primeiro passo já está dado, mas é bom listar algumas coisas que o ciclista precisa observar no trânsito para seguir a lei, afinal, desde 1997 a bicicleta e ciclistas estão contemplados no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Listamos 5 tópicos e, em breve, faremos mais outras publicações para falar mais sobre esse tema.

1 - Utilizar os acessórios básicos exigidos por lei


Os acessórios básicos que são exigidos pelo Código de Trânsito Brasileiro para as bicicletas são a campainha/buzina, sinalização noturna dianteira, traseira lateral e nos pedais (faixas refletivas) e espelho retrovisor do lado esquerdo (cf. CTB Art. 105 VI).

2 - Acessórios recomendados, mas não obrigatórios por lei


Para as bicicletas, o CTB fala em "sinalização noturna dianteira, traseira lateral e nos pedais", mas não especifica. Logo, para sinalização dianteira e traseira é bom que se utilize aquelas luzes que piscam.

Capacete e joelheira, apesar de não previsto no CTB, é bom ser utilizado pelos ciclistas urbanos. Luvas também não farão mal!

3 - É proibido que a bicicleta circule na calçada


Sim, é proibido pedalar na calçada. Para circular com a bicicleta nesse local, o ciclista deve estar empurrando a mesma: sendo assim, ele tem os mesmos direitos e deveres do pedestre (cf. CTB Art. 68 § 1º).

Imagem referencial. Foto: Skitterphoto/Pixabay

Há exceções a essa regra, mas elas deverão ser determinadas pela autoridade competente local. Então, se não há nada indicando o contrário, na calçada só pedestres.

4 - Lugar de bicicleta é na rua


Apesar de muitos motoristas dizerem o contrário, lugar de bicicleta é na rua sim! E é o próprio Código de Trânsito Brasileiro que garante isso explicitamente em seu artigo 58 (será que faltaram às aulas de legislação na autoescola?).

Porém, é bom que o ciclista fique atento ao seguinte:

- Se não houver ciclovia, ciclofaixa, acostamento ou quando não for possível utilizar esses dispositivos, o ciclista deve pedalar nas margens da pista de rolamento.

- O biker deve seguir no mesmo sentido do trânsito. Nada de andar na contramão!

- No parágrafo único do artigo 58, o Código de Trânsito Brasileiro diz que "autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via poderá autorizar a circulação de bicicletas no sentido contrário ao fluxo dos veículos automotores, desde que dotado o trecho com ciclofaixa".

 

5 - Bicicletas também devem respeitar o semáforo


Mais uma coisa que às vezes os ciclistas se esquecem de fazer: obedecer os semáforos. Ou seja, se estiver vermelho é obrigatório que todos os veículos parem.

Mas bicicleta é veículo? Sim! E é classificada pelo Código de Trânsito como veículo de passageiros com propulsão humana (cf. CTB Art. 96, I, c; II, a, 1).

Leia mais...

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Brasil sediará Copa do Mundo de Mountain Bike em 2022

Henrique Avancini na etapa Petrópolis da CIMTB/2019. Foto: Davi Corrêa

A CIMTB Michelin em parceria com a Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC) organizará a abertura da Copa do Mundo de Mountain Bike, entre 8 e 10 de abril de 2022, em Petrópolis, Rio de Janeiro. O evento que acontece em vários continentes, retorna ao Brasil após 17 anos para expandir o esporte e incentivar a prática do ciclismo em diferentes regiões do mundo.


As provas oficiais, de XCO (Cross Country Olímpico) e XCC (short Track), ocorrerão na cidade natal do primeiro brasileiro a vencer uma etapa da Copa do Mundo, Henrique Avancini, que também é um dos responsáveis pela conquista.


“Desde 2017 ou 2018 já existia um desejo muito grande da UCI, da Red Bull e dos nossos parceiros de trazer o evento para o Brasil. Eu participei muito no sentido de buscar um organizador que atendesse às exigências da UCI. Eles requisitaram que, se fosse vir para o Brasil, teria que ser na minha cidade. O Rogério [ Bernardes ] topou o desafio, o que gabaritou ainda mais a confiança deles”, conta Avancini.


A CIMTB Michelin já organizou mais de 70 eventos internacionais da UCI em sua história e uma etapa da Copa do Mundo de Mountain Bike Eliminator (XCE) em Congonhas, em 2018.


“É uma conquista coletiva. Tanto minha, que venho crescendo como atleta, para a CIMTB Michelin como organizadora e para todo o contexto do ciclismo no Brasil, que tem se tornado uma potência mundial do esporte”, completa.


As etapas da Copa do Mundo de Mountain Bike são competições muito disputadas por organizadores no mundo inteiro. De acordo com a União Ciclística Internacional (UCI), órgão máximo do esporte, os maiores eventos da UCI chegam a gerar mais de 200 milhões para os negócios locais.


Disputa entre Avancini e Cocuzzi na CIMTB, em Petrópolis. Foto: Davi Corrêa


“Essa conquista representa muito não só para nós e para o Henrique, mas para o ciclismo brasileiro, que será mais uma vez o centro do mapa mundial do esporte em 2022. Vamos fazer o melhor trabalho possível para que a Copa do Mundo não saia nunca mais do Brasil. E tenho certeza que a torcida brasileira vai eletrizar e fazer história”, conta Rogério Bernardes, organizador da CIMTB Michelin.


O mercado brasileiro de ciclismo vem crescendo de forma estável já há alguns anos. Segundo a Abraciclo, o crescimento da produção no Brasil em 2020 foi de 12,8%, com um total de 750 mil bicicletas fabricadas. Um dos motivos desse aumento é a bike entrando no dia a dia do brasileiro durante a pandemia.


“A importância de trazer uma Copa do Mundo de uma modalidade olímpica para o Brasil é sem precedentes. Estamos todos muito felizes, foram meses de muita dedicação, enfrentando várias reuniões na União Ciclística Internacional e agora recebemos essa incrível notícia da aprovação. Será uma oportunidade única para mostrarmos a força do Mountain Bike brasileiro para o mundo inteiro. Não tenho dúvidas que iremos mais uma vez entregar o nosso melhor, dentro e fora da pista, deixando um grande legado para o nosso país, assim como fizemos no Mundial de Paraciclismo em 2018, que se tornou referência na UCI”, comentou José Luiz Vasconcellos, presidente da Confederação Brasileira de Ciclismo.

Leia mais...
 
Copyright © 2021 Foto e Bike.com • Direitos reservados | Escreva-nos: blogfotoebike@gmail.com
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top